1 de jul de 2011

tempo

Era algum mês do primeiro semestre de 1980.
19 anos.
Meu primeiro emprego: no setor de engenharia da sede dos Correios de São Paulo - ainda em obras, com tapumes fazendo lugar de escritório, pedreiros e mestres de obra zanzando por ali, capacete na escrivaninha para o caso de precisar ir ao banheiro ou andar pelo prédio, que ainda tinha os poços dos elevadores abertos e andaimes por todo lado. Única mulher no edifício. Secretária dos engenheiros.
Pouco serviço, matando tempo: lendo jornal, ouvindo rádio.
Meu rádio-relógio branco cujo mostrador era feito de plaquinhas que caíam contando os minutos, e outras plaquinhas mais lentas que caíam a cada hora... presente de meu pai num dos natais.
Dali a alguns meses John Lennon iria ser assassinado na porta de casa.
Por aqui a gente mal começava a respirar os ares do estertor da ditadura.
O mundo era bipolar, e a olimpíada de Moscou, naquele ano, boicotada pelos EUA.
Em setembro seria publicado pela primeira vez o padrão da ethernet, uma estranha tecnologia para redes locais, avó da internet.
Não tínhamos celular.
Tínhamos discos de vinil e fitas K7. As fitas eram a ‘pirataria’ da época... os discos importados eram caros e copiávamos nas fitas.
‘Rede social’ era uma coisa estabelecida tacitamente e por afinidade, nem sequer tinha nome - normalmente na esquina da rua Afonso Schmidt, que apelidamos de “pólo”, tal como o pólo sul, com magnetismo próprio a nos impelir ao convívio em toda e qualquer hora de folga. Assim, sempre havia alguém por lá pra trocar uma idéia.
A gente trocava idéia, e de vez em quando, um baseado também.
Era amizade.
Livros e discos circulavam de mão em mão entre nós... e eu tinha uma carteirinha da biblioteca pública, podia pegar dois livros de cada vez: um pra mim e outro pro meu pai, líamos, trocávamos, líamos o segundo, e depois discutíamos o que cada um tinha pensado a respeito.
Eu tinha uma vaga idéia do que “ia ser quando crescer”.
E o futuro continua sendo, como ontem, algo em aberto... imprevisível, absolutamente cheio de possibilidades.
Ainda bem que isso não mudou.